sexta-feira, 15 de maio de 2009

Epicondilite, ai que dor


Carregamos tantos ites em nossa vida,
Que nem mais os nomes lembramos.
Incomodam muita gente e assim sozinho não fico,
Mas com dor, estou!

Vou criar mais um nome,
Que com certeza traz consigo uma aguda dor.
Esta todos de uma maneira ou outra já tiveram,
Vamos chamá-la de saudosite.

E assim vamos levando,
Apenas andando e divagando.
Para a saudosite tomamos calmante,
E para epicondilite, infiltração e um bom descanso.

6 comentários:

paula barros disse...

Poeta dos bons é assim, pega um tema, uma dor, uma doença e logo faz um poema.

Carregamos muitos itens, muitos pesos, muitas lembranças, muitas..muitas...e vamos até ficando corcunda.

Desejo que fique bom logo, da saudosite, da epicondilite....mas nunca vi sarado da poemite.

abraços com carinho.

Denise disse...

Da dor se faz amor...

Será?

não saberia respondr,mas que tu tem a capacidade de fazer um lindo poema ,isso tem

beijo

Denise

Dora disse...

Ai, sr. Blue! Ando meio frágil hoje. (hojé só não, acho que já faz tempo)
Faço votos que passe tudo isso. Em você. Em mim. Vamos ter paciência, né?!
Cheiro grande.

Dora disse...

É... voltei, mas não garanto "boas" condições... rs rs rs
:]

Luciana disse...

Adorei a Dora te chamando de Sr. Blue... Muito legal! Aliás, e por falar em Blue, a imagem do seu award não é uma hortênsia? Por que vc não faz uma poesia com elas? Vai ficar linda! Adoro hostênsias... Dá uma olhada neste link aqui:
http://www.netcampos.com/netportal/conteudo/netgallery/media/cidades/sao%20paulo/camposdojordao/noticias/cultura/destaque/festa-das-hortensias.jpg

Beijos!

Everson Russo disse...

Paula tem razão, poeta bom é isso, pegou a saudade, transformou em doença e virou poema, e olha que essa é dificil de curar, costuma levar anos, decadas, e não acaba, se recolhe, e quando a gente pensa que tá tudo bem, tá nada, olha ela dando aquela dorzinha de novo, parabens pelo poema...abraços e otimo sabado...