sexta-feira, 10 de abril de 2009

Saudades dos tempos idos!

Eu cresci comemorando o "Ostern" (Páscoa em alemão) e onde havia toda uma preparação.

Na Sexta-feira Santa, pela manhã, o programa da família era ir a Igreja onde se ouvia e aprendia sobre a Páscoa. Em casa, dia de silêncio total. Naquela época meu Pai só tinha um radio, mas neste dia ele não podia ser ligado. Respeito total, brincadeiras sem muita gritaria. No almoço, peixe com batatinhas e cebola. Quando Papai não conseguia ir pescar ou não pescava nada mesmo, era sardinha em conserva, e que delícia de almoço!

No Sábado de Aleluia era dia de cada um recuperar seu cestinho de vime e ir ao mato enchê-lo de barba de pau. Deixávamos os cestos na janela a noite, para que o coelho pudesse recolhê-los.

Domingo era dia de madrugar, desejar uma feliz Páscoa aos Pais e irmãos e partir para o melhor da festa, pois o coelhinho sempre recolhia as cestas, enchia-os com casquinha de ovos de galinha multicoloridos e recheados com amendoim doce, vez e outra tinha até um ovinho de chocolate e os escondia. O melhor era que tínhamos que procurar cada um a sua cesta. Quando não estava chovendo, o coelhinho até escondia a cesta pelo pátio, com chuva era dentro de casa mesmo. Quando todos haviam achado sua cesta, era hora de cada um ver o que seu irmão ganhou. E claro, economizávamos ao comer, para durar muitos dias. Ao meu dia, almoço especial, em casa recebendo amigos dos Pais ou a minha família indo visitar alguém (hoje entendo o porquê de receber ou visitar amigos: a maioria das famílias eram imigrantes e estavam longe de parentes).

Procurei passar isso ao meu filho. Também ele teve ainda seus dias de Páscoa bastante parecidos aos meus. Mas o tempo passa e a vida continua e tudo se transforma. Hoje o que vemos é um comércio louco nestas “datas especiais”. Não sei dizer se meu tempo foi melhor, se hoje é melhor. Sei apenas que mudaram os valores e também sei que podem ser apenas valores culturais e cada um tem os seus.

Mas o meu almoço na Sexta-feira Santa é igual a que minha Mãe fazia, só que não abro mão da sardinha, e que delícia de almoço!

Tenho sim, muitas saudades!

12 comentários:

Everson Russo disse...

Meu amigo, talvez esteja descobrindo aos poucos onde temos algo em comum, hoje andei mais um passo, voce tem um lado alemão na familia? eu tenho do avo da minha mãe, de onde carrego meu sobrenome já aportuguesado, que começou Wictter,passando pra Wicter,Victer e hoje no meu Viter...rs..rs..mas acho que tem um sanguinho germanico ainda...rs..rs...mas sua historia me levou a Pascoa de antigamente, os pequenos chocolates, epoca boa que sempre tinhamos familias reunidas, aquelas moedinhas douradas de chocolates, aqueles cigarrinhos tambem de chocolates, os pequenos e grande ovinhos de Pascoa, mas claro, o mais importante, quando iamos a Igreja aprender o verdadeio sentido da Pascoa que é a ressurreição de Cristo,dai trilharmos o caminho que seguimos hoje....um forte abraço e uma excelente Pascoa a ti e toda sua familia na mais perfeita paz do Senhor Jesus...

wal disse...

Lindo texto,Gunar! lembrei da minha Páscoa em família.Realmente este tempo se foi...

Beijo

paula barros disse...

Quantas lembranças boas. Parecia um conto de fadas.

Sim, os tempos mudaram. Lembro da minha mãe contantando como era a sexta-feira da paixão, e vejo hoje a diferença.

O ruim que percebo é que as gerações mais novas desconhecem o sentido cristão do natal, da semana santa....e no dia-a-dia estamos vendo o lado ruim disso tudo.

abraços, feliz páscoa.

Ynot Nosirrah disse...

Feliz Páscoa.

Dora disse...

Adorei o texto. Deve dar muita saudade mesmo. Os tempos mudam, e acho que antes as coisas eram mais bem elaboradas, mais pessoais. Hoje, está tudo tão encerrado num individualismo... Se era melhor ou pior, realmente não sei. Acho que cada um tem sempre algo marcante na infância e nessas datas...
Cheiro grande.
Boa Páscoa a você e atodos da sua família.

Avassaladora disse...

Que doces lembranças... O que percebo é que nós vivemos em uma época onde o apelo comercial não era tão invasivo e agressivo como é hoje. Até pelos próprios meios de comunicação, que naquela época se restringia ao rádio e alguns aparelhos de televisão...rsrsrs
Hoje o lado material é que impera, em detrimento de qualquer valor esperitual...
Tb vivi essa época em que até ligar o pequeno rádio a pilha era proibido...
e a gente acreditava mesmo nos coelhos...rs
Eu tb procurei passar algumas coisas para meus filhos. Quando menores, a páscoa era sempre em nosso sítio, nos arredores de BH, onde sempre procurava canteiros de flores, pequenos arbustos, até na horta, entre pés de alface para esconder seus ovos de páscoa... E no domingo, lá ia eles, sempre com alguns primos na doce empreitada de encontra´-los...
E a cada grito de alegria, o sorriso estampado no rosto e a fantasia de acreditar naquele louco coelhinho que saia botando ovos de chocolates nos lugares mais estapafúrdios...rs
Hoje, já em algumas conversas eles lembram dessa época, como a fase mais deliciosa da vida deles!

É, amigo, estamos envelhecendo...rs
Um saudosismo!!!


Desculpa...rsrsrs
Entendi!

Um grande beijo!

Everson Russo disse...

To meio léle, já comentei nesse post aqui e passei batido na belissima poesia abaixo, ainda bem que em tempo me recuperei..rs..rs..rs..deixo aqui meu abraço fraterno amigo poeta e o desejo que voce toda sua familia tenham uma pascoa de amor e paz, que é o significado da mensagem de Jesus...

Luciana disse...

Muito legal o seu texto familiar. Nada como relembrar os tempos idos, aqueles em família, que os anos nunca mais trarão... Lembranças assim são doces e saudáveis! Bom início de semana pra ti. Beijos!

Everson Russo disse...

Deixando ao amigo poeta abraços fraternos e o desejo que voce tenha uma excelente semana cheia de poesia e paz na alma...

Gleiciane disse...

Sardinha??? Adoro......
Passando só p/te desejar uma boa semana.

Bjinhos!!

Lianara Kerkhoff **Lia** disse...

Olá, amigo!
Suas palavras viraram um filme na minha mente...um filme com imagens da minha infância!
Realmente o almoço da Sexta-feira Santa era um ritual...e como era bom mesmo!!
Lindo texto...linda lembrança!
Abraços

Everson Russo disse...

Forte abraço amigo poeta e uma excelente terça feira pra ti...